O belíssimo interior da Basílica de Santa Maria, em Cracóvia, na Polônia
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

O belíssimo interior da Basílica de Santa Maria

 
Uma das atrações de Cracóvia, que será a sede da JMJ – Jornada Mundial da Juventude de 2016, são suas belas igrejas. Algumas centenárias, outras modernas, cada uma tem algo de único e especial para quem faz uma viagem de turismo religioso à cidade onde São João Paulo II foi Arcebispo e mais tarde Cardeal.
 
Basílica de Santa Maria
A Basílica de Santa Maria, em Cracóvia, na Polônia e suas belas torres
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

A Basílica de Santa Maria e suas belas torres

Um dos símbolos mais conhecidos de Cracóvia, a Basílica de Santa Maria, também conhecida como conhecida como Igreja Matriz (Kościół Mariacki), se destaca pelas duas altíssimas torres, que têm 81 e 69 metros de altura.
Retábulo da Basílica de Santa Maria, em Cracóvia, Polônia, obra do escultor Veit Stoss
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

Retábulo da Basílica de Santa Maria, obra do escultor Veit Stoss

Seu belíssimo interior, com três naves, abriga belos vitrais e pinturas, além de um retábulo esculpido pelo artista alemão Veit Stoss, que é considerado um tesouro histórico.
Teto da Basílica de Santa Maria, em Cracóvia, na Polônia
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

Teto da Basílica de Santa Maria

 
Santuário da Divina Misericórdia
Santuário da Divina Misericórdia, em Lagiewniki, , subúrbio de Cracóvia, na Polônia
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

O Santuário da Divina Misericórdia, em Lagiewniki,

O complexo do Santuário, em  Lagiewniki, nas imediações de Cracóvia, é um dos maiores pontos de peregrinação da Polônia.
Ele inclui o convento da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, onde Santa Faustina Kowalska viveu e morreu, a capela do convento, onde está enterrado seu corpo e a moderna Basílica.
Convento em Lagiewniki, subúrbio de Caracóvia, na Polônia, onde viveu e morreu Santa Faustina
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

Convento em Lagiewniki, onde viveu e morreu Santa Faustina

A capela do convento é o centro da devoção à Divina Misericórdia. Ao lado da parte superior da basílica, há a Capela da Adoração Perpétua do Santíssimo Sacramento.
Altar da Basílica da Divina Misericórdia - Lagiewniki
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

Altar da Basílica da Divina Misericórdia

 
Igreja de São Adalberto de Praga
Igreja de São Adalberto de Praga, uma das mais antigas de Cracóvia, na Polônia
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

A pequena igreja de São Adalberto de Praga tem mais de 900 anos

Datada do século XI, esta é uma das menores e mais antigas igrejas de Cracóvia. Em seu altar principal, onde o povo da cidade reza há mais de novecentos anos, se encontra uma cópia do ícone da Virgem Salus Popoli Romani, a mesma que São João Paulo II entregou aos jovens e peregrina junto com a Cruz da JMJ por todo o mundo.
 
Igreja dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo
Igreja dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, em Cracóvia, na Polônia
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

Igreja dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo

Uma das maiores e das mais bonitas igrejas de Cracóvia, foi onde se casaram os pais de São João Paulo II, o sargento Karol Wojtyła e Emilia Kaczorowska. O fato é recordado pela placa comemorativa colocada na coluna à esquerda da entrada.
 
Santuário de São João Paulo II
Santuário de São João Paulo II, em Cracóvia, na Polônia
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter

O moderno Santuário de São João Paulo II

O moderno Santuário abrange a igreja inferior, onde se pode encontrar as relíquias de São João Paulo II e a igreja superior, em cujas portas de bronze o santo polonês é retratado junto com os santos e beatos elevados aos altares por ele.
O altar-mor e as paredes adjacentes são decoradas com um mosaico de autoria do mesmo autor dos mosaicos que decoram a cripta do Santuário de São Pio de Petralcina, em San Giovanni Rotondo, na Itália.
Anexo a ela está o Centro João Paulo II “Não tenhais medo!”, que busca preservar seu legado espiritual, permitindo que os fiéis se encontrem com “o seu pensamento, o seu espírito e a sua santidade”, conforme enfatiza o Cardeal Stanisław Dziwisz, idealizador da obra.