Igreja em São João Del Rei, Minas Gerais

Vista noturna de igreja em São João del Rei, em Minas Gerais


 
Quais são os fatores que limitam o crescimento do turismo religioso no Brasil?  Uma rápida análise mostra que, para crescer no Brasil , o turismo religioso precisa solucionar diversos problemas.
Alguns deles dependem de ações do governo ou de órgãos ligados a eles. São fatores como divulgação, sinalização, melhoria de estradas, fiscalização, redução de impostos, incentivos ao investimento privado e até formação de mão de obra.
Já outros, muito provavelmente os mais importantes, dependem de ações da iniciativa privada. Alguns dependem de investidores, como a implantação e reforma de hoteis, pousadas e restaurantes.
Outros dependem de mudanças na postura de operadoras de turismo, empresas de turismo receptivo e agências de viagens e turismo, como a criação de roteiros de turismo religioso com saídas regulares e a disseminação desse tipo de produto junto às agências, responsáveis pelo atendimento dos consumidores que desejam fazer uma viagem religiosa ou peregrinação.
 
Igreja de Mont Serrat, em Salvador

Igreja de de Mont Serrat, uma das muitas em Salvador

Falta de oferta de roteiros de turismo religioso

Todas as semanas recebemos mensagens e comentários de leitores querendo informações a respeito de empresas que ofereçam roteiros para os principais destinos de turismo religioso no Brasil, como Aparecida, Canção Nova, Nova Trento ou Trindade, onde está localizado o Santuário do Divino Pai Eterno.
Infelizmente, a resposta acaba sendo invariavelmente a mesma: praticamente não existem roteiros regulares para esses destinos partindo dos grandes mercados ou de cidades com aeroportos concentradores, como São Paulo ou o Rio de Janeiro.
No mercado de turismo de lazer isso não costuma acontecer e é bastante fácil encontrar operadoras e agências de turismo oferecendo roteiros para destinos turísticos de lazer durante praticamente todo o ano.
Esse é um problema que afeta seriamente o turismo religioso no país, que depende muito das caravanas organizadas por inciativa de pessoas empreendedoras de todas as partes do país, que alugam ônibus e vans para fazer essas viagens, que dependem da formação de grupos para acontecerem.
 

Ruinas de igreja jesuítica no sítio arqueológico de São Miguel, a região das MIssões, no Rio Grande do Sul

Ruinas de igreja jesuítica no sítio arqueológico de São Miguel, a região das MIssões, no Rio Grande do Sul


 
Círculo vicioso

Como nenhuma operadora, especializada ou não, se animou a explorar esse mercado, acabou sendo criado um círculo vicioso: as operadoras não criam o produto, as agências não o vendem e os fiéis interessados em roteiros para Aparecida, Canção Nova, Santuário do Divino Pai Eterno e outros acabam viajando por conta própria ou optando por viajar para destinos religiosos no exterior ou até por não viajar.
Isso não implica que viajar por conta própria ou visitar destinos de turismo religioso no exterior seja ruim.

Significa apenas que, caso esses roteiros  de turismo religioso existissem, dezenas de milhares de brasileiros poderiam aproveita-los para viajar e conhecer esses destinos. Afinal, nem todo mundo gosta de viajar sozinho ou tem a iniciativa necessária para “se virar” por conta própria.

A oferta de pacotes e roteiros para os principais destinos de tutismo religioso do Brasil certamente resultaria numa série de reflexos positivos em termos de geração de empregos e renda, arrecadação de impostos, ampliação da infra-estrutura de hospedagem, alimentação e recepção de visitantes, entre outros.

 
Cruzeiro que marca a entrada da comunidade católica Canção Nova

Este cruzeiro marca a entrada da sede da comunidade católica Canção Nova


 
Gargalo
Outro problema relevante é a falta de capilaridade. A maioria absoluta das empresas que organizam viagens de turismo religioso não atua como operadora, ou seja, como atacadista, cuidando da organização de “pacotes” ou roteiros.
Esses produtos turísticos reúnem de forma organizada transporte aéreo, terrestre e/ou marítimo, hospedagem, passeios, guias de turismo, refeições, entradas, etc., enfim, praticamente tudo o que o passageiro precisa.
Os pacotes ou roteiros criados pelas operadoras são revendidos pelos agentes de turismo, que recebem uma pequena comissão para atenderem e orientarem os consumidores.
Como as empresas que só se dedicam ao turismo religioso acabam trabalhando com a formação de grupos fechados para paróquias, dioceses ou comunidades religiosas, as viagens que elas organizam não são encontradas pelos consumidores que procuram uma agência de turismo.
Além disso, como viagens de turismo religioso ainda não são muito conhecidas, muitas agências não se sentem animadas a oferece-los, já que é difícil para um agente de turismo recomendar um produto que não conhece bem.
 
Santuario de São Francisco das Chagas, em Canindé, Ceará

Santuário de São Francisco das Chagas, em Canindé, Ceará


 
Círculo vicioso
Quando se consulta uma operadora ou empresa de turismo receptivo sobre quais são as razões para que ela não ofereça roteiros com saídas regulares (mensais, quinzenais, semanais ou com qualquer outra frequência) para destinos de turismo religioso, ouve-se como resposta que falta demanda para que os produtos sejam oferecidos.
Ao mesmo tempo, quando se consulta os consumidores e alguns agentes de turismo a esse respeito, a constatação é de que existe muita gente interessada, mas não existem roteiros e pacotes específicos para atende-los.
Ou seja, é um círculo vicioso em que não há oferta com a alegação de que não existe demanda e a demanda é reprimida por falta de oferta de produtos turísticos.
O Santuário Nacional, em Aparecida, é o destino brasileiro de turismo religioso mais visitado

O Santuário Nacional, em Aparecida, é o destino brasileiro de turismo religioso mais visitado


 
Como quebrar o círculo vicioso
O que falta é aparecerem empresas dispostas a investir na quebra desse cículo vicioso, oferecendo produtos para satisfazer a demanda que certamente existe e está reprimida.
Quando passarem a existir viagens com saídas regulares para Aparecida, Guaratinguetá, a Canção Nova, Nova Trento, Trindade e outros, os consumidores passarão a se programar e aproveitar os pacotes e roteiros oferecidos.
É claro que o resultado não será instantâneo e – a exemplo do que contece com outros produtos – irá requerer um trabalho paralelo de promoção, tanto junto ao público final quanto aos agentes de viagem, que precisam ser obnbrigatóriamente inseridos no mercado de turismo religioso.
Continuaremos aprofundando o assunto em novos artigos. Aguarde!