Basílica de Parecida, SP - Santuário Nacional

Basílica de Aparecida

O reconhecimento é um marco para o setor, já que significa que o governo federal reconhece oficialmente e de forma concreta a importância do turismo religioso
 
O Ministério do Turismo reconheceu oficialmente o Santuário Nacional de Aparecida, que recebe mais de 10 milhões de romeiros por ano, como ponto turístico. O certificado, válido por dois anos, foi entregue ao reitor do Santuário, padre Darci Nicioli, pelo secretário de Turismo do Estado de São Paulo, Márcio França, no dia 3 de junho.
Esse certificado vai possibilitar que o santuário obtenha recursos diretamente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a taxas de juros inferiores às praticadas pelos bancos comerciais. Esses recursos deverão ser usados na construção do complexo turístico “Cidade do Romeiro“, que prevê três hotéis, centro de convenções para 1 200 pessoas e área comercial e de lazer.
Ao mesmo tempo, o Santuário Nacional passa a fazer parte do Cadastur, um  sistema de cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam na cadeia produtiva do turismo, criado pelo Ministério do Turismo.
 
Cidade do Romeiro traz mudanças à cidade
O projeto da “Cidade do Romeiro“, que será implantado na antiga área do parque temático Magic Park, tem custo estimado em R$ 160 milhões, sendo 60% de responsabilidade do Santuário Nacional e 40% via empréstimo do BNDES e tem deve estar concluído até o final de 2015. O primeiro dos três hotéis  deverá ter mais de 300 apartamentos e tem término previsto para dezembro de 2012.
Um hotel desse porte implica em um aumento significativo da capacidade hoteleira de Aparecida e uma mudança no cenário do segmento hoteleiro da cidade, cujos hotéis são todos pequenos e médios e majoritariamente de administração familiar. Segundo informações fornecidas pela Secretaria de Turismo local, Aparecida, que é o principal destino de viagens religiosas do país, conta com 158 hotéis e mais de 30 mil leitos para hospedar os visitantes, que têm aumentado a uma taxa próxima de 10% a cada ano.
 
 

LEIA TAMBÉM  Caminho Religioso da Estrada Real une governos de Minas Gerais e São Paulo